Medos e expectativas de quatro casais a caminho do altar

 

Foto: site O Nosso Casamento

Finalmente a caminho do altar

Os medos e expectativas de quatro casais, juntos há mais de seis anos, que estão se preparando para dividir o mesmo teto

Renata Losso

Há quem diga que o casamento faz parte da ordem natural das coisas, como nascer e crescer, mas, na sociedade atual, quando é hora de um namoro longo virar casamento? Não há regras, mas para a psicóloga Marina Vasconcellos, especializada em Terapia Familiar e de Casal pela Unifesp, o tempo de namoro não é algo muito relevante na decisão. Conhecer e aceitar o outro como ele realmente é e encarar os problemas de frente podem ser os indícios de que a hora chegou.

“É a partir desta convivência que você vai saber como o outro funciona”, diz a especialista. E conhecer manias, vícios, bagunça ou excesso de organização do outro não é tão fácil quanto parece. “A falha na comunicação ou a distorção são capazes de provocar muitos conflitos”, afirma a psicóloga. No entanto, segundo ela, se as pessoas estão abertas e disponíveis para verem e aceitarem as próprias necessidades e as do outro, já existe uma abertura imensa para que a compreensão ocorra. “Chega uma hora que você simplesmente sente que é o momento”, afirma ela. Mas isso precisa vir acompanhado de maturidade para assumir a responsabilidade que é viver junto.

Planos desde a faculdade

Os advogados Bianca Esteves e Mateus Bessa, ambos com 25 anos, se conheceram aos sete anos de idade, na 1ª série do Ensino Fundamental, e se beijaram pela primeira vez sete anos depois, quando ainda nem imaginavam que iriam fazer planos juntos. “Desde o primeiro beijo a gente passou a ‘ficar’ todos os anos, mas eu sempre levava um fora duas semanas depois”, lembra Mateus, que persistiu anualmente até a coisa mudar de figura quando os dois estavam no segundo semestre da mesma faculdade – e do mesmo curso.

Desde então, os dois estão juntos, e isso já faz seis anos e pouco, sem nenhum término pelo percurso. E planejando o próximo passo: a vida de casado. O assunto começou a ser discutido já na faculdade e, neste último mês de maio, começaram a ver preços e lugares para morarem juntos. Com empregos fixos já estabelecidos, acreditam que agora é possível investir num apartamento.

As futuras dificuldades de morarem juntos já estão aparecendo nas conversas do casal. Enquanto que para ela um dos pontos negativos de viver lado a lado será a paixão que ele tem por esportes – e por programas de televisão sobre o assunto –, para Mateus o mais difícil mesmo vai ser se desligar realmente da casa dos pais. “O conforto vai acabar, né?”, ri o advogado. Além disso, se as contas vierem altas, ele sabe que não terá ajuda.

Porém, a ideia de construir tudo do zero com a namorada faz com que a vontade de morarem juntos prevaleça. Mas Bianca confessa ter um receio parecido: “começar sem nada, do zero, dá um pouco de medo”. Além disso, ele lembra que, na hora da briga, não terão para onde fugir caso queiram ficar um pouquinho longe. “Depois de uma discussão, vou ter que ficar na cozinha e ela na sala”, brinca Mateus. Ainda assim, os dois estão animados em encarar o desafio.

Reforma sem pressa

Um passo a frente, a publicitária Carina Falsarela, de 30 anos, e o engenheiro Ewerton Rodrigo de Souza, de 28 anos, estão há dois anos planejando a vida sob o mesmo teto e agora estão prestes a alcançarem o objetivo. “Fizemos inúmeras contas e planilhas e decidimos que a melhor solução para nós seria reformar uma casa do pai do Ewerton”, conta Carina. Por ser um investimento para ele e o custo melhor para o casal, afirmam que, em no máximo dois meses, já estará tudo pronto para a mudança.

Juntos há oito anos, o casal se conheceu na época da faculdade por intermédio de um amigo em comum e, desde então, nunca se separou. “Tivemos uma empatia logo de cara”, lembra ela. “Deu certo desde o começo”, recorda Ewerton. Mas mesmo juntos há tanto tempo, não tiveram pressa em encararem a vida juntos. “Tínhamos primeiro o objetivo de terminar a faculdade, estabilizar um pouco e então pensar no assunto. E, ao mesmo tempo, chegou aquela hora em que você pensa em dar mais um passo na relação”, explica Carina. Foi um longo percurso.

“A questão financeira era o que mais nos brecava”, diz Ewerton. Carina conta que um pouco antes de decidirem pela reforma da casa, viam muitas dificuldades para investir num apartamento: “Se você vai comprar um na planta, você tem que pagar dois anos um negócio que nem sabe se vai sair do chão, aí acabamos desistindo”. Hoje ela conta que ainda fazem mil contas com os extras da reforma, mas acredita ter sido a melhor opção.

Ewerton comenta que, além das dificuldades financeiras que podem aparecer, a perda da liberdade é um dos pontos negativos do casamento. “Quarta-feira, por exemplo, eu costumo sair com os amigos, mas acharia chato fazer isso e deixá-la em casa”, comenta ele. Ela, por outro lado, afirma: “Quando brigarmos, não teremos duas casas diferentes para irmos pensar no assunto”. Mas os sonhos de colocar em prática uma nova rotina falam mais alto.

Um banheiro para cada um?

Também namorados há mais de oito anos, o administrador Emmanuel Haddad, de 27 anos, e a advogada Patrícia Pagni, de 28 anos, contam que já perderam as contas do tempo que estão juntos. Conheceram-se por meio de uma amiga que tinham em comum e, após alguns encontros, começaram a namorar. “Só terminamos uma vez, durante uns 15 dias, e depois ficamos aproximadamente nove meses distantes porque eu fui fazer uma pós-graduação na Espanha, mas continuamos o namoro durante este tempo”, conta Patrícia.

Agora que Emmanuel já está estável financeiramente e Patrícia no mesmo caminho em um novo emprego, eles começaram a pensar sobre a possibilidade de morarem juntos. Mas não só pela maior estabilidade dos dois. “Antes éramos mais jovens, acho que agora chegando perto da casa dos 30 é o melhor momento”, diz ela.

Mas além da grana curta – que é a maior dificuldade para os casais que querem começar uma vida juntos –, eles têm em mente que terão que aprender a respeitar a individualidade de cada um. “Somos duas pessoas crescendo juntas, então precisamos nos respeitar, até porque todo mundo vai mudando, pelo menos um pouco, ao longo da vida”, afirma Patrícia.

Ela sabe que nem tudo será fácil na vida sob o mesmo teto. “Acho que cada um ter o próprio banheiro vai ser fundamental para manter um bom relacionamento”, ri Patrícia. Mas Emmanuel confessa que o pior será acostumar-se a não ter a liberdade que tem morando com os pais. “Por enquanto a gente ri disso, mas provavelmente ela vai reclamar se eu deixar a roupa jogada em algum lugar”, afirma.

Responsabilidades antes do casamento

Para a publicitária Mariana Camilo, 25 anos, e o programador Fernando Alves, de 24 anos, o perigo é a paciência acabar. Mariana afirma que tem medo de, com o aumento da convivência, acabar ficando mais impaciente com coisas que agora não se importa tanto. “Hoje eu não tenho como reclamar que ele deixa a toalha jogada, por exemplo, mas não sei como seria se morássemos juntos”, conta.

Porém, ela diz que ainda levará um tempo para conseguirem dividir o mesmo armário. “A gente começou a namorar cedo, com 18 anos, mas eu ainda preciso me estabilizar e ele ainda tem que terminar a faculdade”, conta. No entanto, com sete anos e meio de namoro – os dois se conheceram num curso técnico de informática quando tinham 16 –, Fernando afirma que, mesmo ainda não sendo possível morar junto, já se sente preparado para dividir as contas. Antes e depois de casar.

“Eu faço questão de casar na igreja e fazer uma festa, se tiver condições financeiras eu quero tudo que tenho direito”, confessa Mariana. E Fernando pensa na liberdade que deixará para trás quando subir no altar. “Sei que a partir daí já não poderei fazer algumas coisas sozinho, como sair a noite ou viajar, por exemplo”, comenta Fernando. Mas o fato de poder passar mais tempo com a namorada parece ser o mais atraente, ainda que venha acompanhado do peso da responsabilidade. “Eu terei que ser mais responsável do que sou hoje, mas faz parte”, completa.


*A imagem ilustrativa deste post retirei do blogspot http://carolminholasnacabeca.blogspot.com/2009/07/caminho-do-altar.html através de pesquisa na internet.

*As informações acima retirei do site http://namorados.ig.com.br/finalmente+a+caminho+do+altar/n1237652209781.html#0 através de pesquisa na internet.

Esse post foi publicado em Entretenimento. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s